COMO E O QUE É BIAMPLIFICAR UM SISTEMA

Os benefícios da biamplificação são reais e podem consistentemente ser uma solução com ótimo custo/ benefício.

Os benefícios da biamplificação são reais e podem consistentemente ser uma solução com ótimo custo/ benefício. A primeira vantagem é que o consumidor pode manter o amplificador atual e acrescentar apenas mais um (foi justamente o que o Darlei fez) ou ainda

pode utilizar o amplificador multicanal ou receiver (desde que não esteja usando o power para alimentar um sistema 5.1). Muitos audiófilos iniciantes confundem biamplificação com bicablagem. São processos distintos. Na bicablagem, o consumidor só tem que comprar um segundo par de cabos para alimentar suas caixas. O processo é bem simples: retira-se das caixas acústicas as barras de conexão entre os terminais positivo e negativo, um par de cabos passa a alimentar os graves/médios e o outro, os agudos (tweeter). Já do lado do amplificador, não muda nada: um par de cabos alimenta o canal direito e outro par de cabo, o canal esquerdo. Nos últimos anos a bicablagem se tornou tão popular, que muitos fabricantes de cabos já oferecem cabos prontos (um par positivonegativo, para ser ligado ao power e quatro terminais para serem ligados na caixa).

A bicablagem ou biamplificação só não será possível nas caixas que utilizam apenas um par de conectores (muitos fabricantes de caixas high-end são partidários de que não se justifica a utilização de bicablagem). Já a biamplificação exige o uso de um segundo amplificador de potência separado para cada seção do crossover e também necessita de cabos de caixas adicionais e um cabo a mais de interligação entre o préamplificador e o segundo power. Tornando-se um investimento muito mais caro que a bicablagem. Mas, pela nossa experiência de muitos e muitos anos, compensa integralmente o investimento. Em um sistema categoria ouro recomendado a ouro melhor compra, o salto pode permitir uma sobrevida de todo o sistema por longos anos.

Se você até aqui se sentiu seguro a experimentar a biamplificação, vamos às dicas. Para quem vai dar o primeiro passo na biamplificação, uma regra de ouro é: utilizar um segundo amplificador idêntico ao que você utiliza. Isto é para você evitar problemas com diferença de ganho (fato muito comum se você utilizar amplificadores de marcas diferentes). Outra regra importante: antes de sair gastando seu suado dinheiro, verifique se o seu pré-amplificador possui duas saídas para a alimentação de dois powers.

Caso só exista uma saída, será preciso comprar um par de adaptadores em que um único plugue alimenta um par de saídas (estes plugues adaptadores são baratos e podem ser utilizados com segurança). Outra dica interessante: comece por utilizar um power estéreo para alimentar a seção de médio-grave das caixas e o outro power para alimentar os agudos (tweeter). Caso você possua dois amplificadores do mesmo fabricante, mas com potência diferente, utilize o de maior potência para os médiosgraves e o de menor potência para os tweeters. Isso é importante, pelo fato dos falantes de médios-graves exigirem muito mais potência que o tweeter.

Muitos audiófilos mais experientes, à medida que avançam na biamplificação utilizam amplificadores de estado sólido para os graves e valvulados para os agudos. Também experimentam cabos diferentes para os médiosgraves e para os tweeters. As opções são realmente muitas, no entanto, o risco de se alterar o equilíbrio tonal do sistema também cresce na mesma proporção. Em caixas com bom equilíbrio tonal, um bom par de cabos e dois bons powers – com potência suficiente para justificar a biamplificação – já dará excelentes resultados.

Conclusão Muitos audiófilos e melômanos desejam realizar upgrades em seus sistemas, mas estão vivendo aquela “encruzilhada” de partir para um novo sistema e ter que realmente colocar a mão no bolso ou manter o sistema e ver se ainda existe a possibilidade de arrancar algum “sumo” a mais. Como escrevi na abertura deste texto, em sistemas ouro recomendado e melhor compra, pode sim ser um upgrade seguro e com excelente relação custo/ benefício. Se você, amigo leitor, vive esse “dilema”, proponho que ouça um sistema biamplificado e, se tiver a chance, consiga com um amigo ou com uma revenda, um outro amplificador estéreo e faça você mesmo o teste. Pode ser que você descubra como o nosso leitor Darlei, que um “pedacinho do céu” também foi reservado para você.

Esquema básico de bi-amplificação:

Esquema básico de uma ligação para bi-amplificação
Esquema básico de uma ligação para bi-amplificação

Por: Teresa Carvalho

A diferença ao biamplificar seus alto-falantes será audível se você fizer seu trabalho de casa e ligar os alto-falantes certos com a amplificação certa e o equipamento de fonte. Em outras palavras, você não pode fazer um príncipe de um sapo se você estiver tentando biamplificar aqueles alto-falantes novinhos com um amplificador ou receiver de baixa potencia.

Os alto-falantes biamplificados tem filtros de divisor de frequências. Com as barras pós jumper removidas, os filtros de divisor de frequências direcionam as freqüências altas e baixas das conexões do amplificador para as correspondentes conexões nos terminais dos alto-falantes.

Os alto-falantes estéreo que são biamplificados ter um som mais limpo, porque separa a amplificação das altas e baixas freqüências, reduz a distorção no amp, enviando um sinal menos distorcido para os filtros de divisor de freqüências do alto-falante.

Quando se biamplifica, dois conjuntos de cabos de alto-falante são utilizados (um positivo e um negativo) para cada canal. Um conjunto de cabos é ligado com a frequência alta (tweeter), enquanto o segundo conjunto de cabos é ligado com a freqüência baixa (woofer).

  • Os cabos do alto-falante estão conectados via conector na parte traseira – normalmente, um vermelho (positivo) e um preto (negativo). Os alto-falantes configurados para a biamplificação são diferentes dos falantes convencionais, que têm 4 conectores – 2 conjuntos positivos (vermelhos) e um gancho negativo (preto).Os alto-falantes finais usam conectores de aperto, que aceitam terminações de fio em espada, banana ou pinos sólidos. Alto-falantes antigos usam uma alavanca que empurra para baixo as presilhas no fio após inseri-las no conector.Os fabricantes entregam alto-falantes novos com uma barra jumper, que liga os dois terminais positivos e negativos. Isso é feito para permitir que a configuração convencional de 2 fios positivos / negativos seja usada se o usuário optar pela biamplificação do alto-falante.
  • Para biamplificar um alto-falante, primeiro remova a barra jumper. Isto é muito fácil, já que tudo que você precisa fazer é soltar as conexões e empurrar a barra jumper para fora do conector.
  • Prepare seu cabo de alto-falante biamplificado para as conexões. Se você comprou um cabo de alto-falante biamplificado que tenha terminação em espada, banana ou pinos, você pode pular esta etapa.Cabos sem terminações terão de ser descascados para expor o fio de cada cabo. Embora isso não seja recomendado, você pode fazer as conexões apenas torcendo o fio individual de cada cabo e anexando-os ao conector. No mínimo, solde as pontas para evitar desgaste, o que pode levar à perda de sinal.É altamente recomendável que você compre terminações em espada, banana ou pinos. Tome cuidado ao fazer a terminações para garantir que você possa identificar os fios positivos e negativos para evitar conexões fora de fase.
    • Faça as conexões nos terminais do alto-falante. Certifique-se de desligar todas as fontes de alimentação, a fonte do equipamento e os alto-falantes. Conecte os fios positivos e negativos de alta frequência (tweeter), nos fios de alta frequência nos conectores do alto-falante. Então faça isso nas conexões de baixa freqüência (woofer).
  • Faça as conexões no amplificador. Muitos amplificadores superiores têm dois conjuntos de conectores por canal e espelham as conexões dos terminais dos falantes no amplificador. Ligue os fios de alta freqüência do falante para a linha de cima dos conectores positivos e negativos no amplificador. Depois ligue os fios de baixa frequência do falante para a linha inferior de conectores. Certifique-se que as conexões sejam positivo para positivo e negativo para negativo.
  • Para amplificadores com apenas um conjunto de conectores por canal: nas conexões do amplificador, combine os fios positivos juntos, depois os fios negativos. No amplificador, ligue os fios positivos aos conectores positivos, em seguida faça o mesmo com os negativos.
  • Reverifique todas as conexões. Ligue o amplificador e o equipamento de fonte e teste o sistema. Você deve procurar por uma ou mais conexões fora de fase (uma conexão positiva no amplificador ou falante cruzado com uma conexão negativa). Isto irá degradar a qualidade do som significativamente. Para corrigir o problema, desligue o eletrônico de novo, volte às etapas 3, 4 ou 5 e configure as conexões corretamente.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.





3 + = quatro